.

.

sexta-feira, 21 de junho de 2013

"Desculpe pelo transtorno, estamos melhorando o país!"

Jornal de Jundiaí/Carlos Esteves
A onda massiva de protestos que se espalhou pelo país é a maior dos últimos 30 anos. Mais de 200 mil pessoas foram às ruas em 12 capitais brasileiras na segunda-feira, 17 de junho de 2013.  Foram 100 mil no Rio de Janeiro; 65 mil em São Paulo; 10 mil em Brasília além de multidões em Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Vitória, Curitiba, Maceió, Fortaleza, Belém e diversas outras cidades do país. 

O protesto atingiu dimensões internacionais e muitos brasileiros que moram no exterior se organizaram através das redes sociais para convocar manifestações nos próximos dias em pelo menos 28 cidades das Américas e da Europa, como por exemplo Dublin, Chicago, Los Angeles, Boston, Montreal, Nova York, Berlin. Na quinta-feira, 20 de junho, o número de pessoas nas ruas, chegou a 1,2 milhão, em mais de 100 cidades brasileiras.

A data entra para a história deixando um rastro de interrogações e pouquíssimas respostas. A lista de reivindicações é ampla e eclética: mais investimentos na saúde, mais dinheiro na educação, transporte público barato, fim da corrupção, rejeição do projeto de emenda constitucional que retira poderes de investigação do Ministério Público, questões localizadas.

As passeatas foram organizadas espontaneamente, sobretudo por meio da internet, e rejeitaram a tutela de qualquer grupo político. A violência policial praticada nos primeiros dias de protestos foi suprimida e a grande maioria das pessoas queria apenas manifestar-se em paz, tentando preservar a ordem durante a caminhada. Entretanto, isto é utopia e alguns grupos delinquentes aproveitaram a oportunidade para despejar sua revolta ocasionando conflitos, vandalismo e policiais feridos. Apesar do preço pago, as manifestações foram legítimas e de direito em uma democracia.

E, isto espantou nossos políticos que muito falam em democracia, mas que pouco a exercem. Muitos não gostaram de se reconhecer como alvo dos manifestantes. No geral, prefeitos e governadores mantiveram-se distantes dos protestos. A presidenta Dilma, entretanto, afirmou que, na terça-feira, 18 de junho, “o Brasil acordou mais forte e a grandeza da manifestação comprovou a energia da democracia, a força da voz da rua e o civismo da população”. A presidenta vinculou as demandas dos manifestantes ao surgimento de “cidadãos que querem mais”, formados através das políticas sociais brasileiras. Disse ainda que governo está ouvindo essas vozes pela mudança e que o governo está empenhado e comprometido com a transformação social. Mas palavras só não bastam, é preciso ação.

O povo brasileiro está nas ruas e sua demanda pode ser assim resumida: queremos um estado honesto que nos dê oportunidades para produzir e crescer, segurança nas ruas e uma sociedade que respeite seus cidadãos. Queremos justiça social!


A Diretoria

Jundiaí nas ruas!


O Gigante acordou e ocupou a maior arquibancada do Brasil: a rua!


Dia 20 de junho, mais de 1.2 milhão de pessoas tomou conta das ruas de mais de 100 cidades do Brasil, na maior mobilização da história do país, exigindo redução da tarifa do transporte público, melhorias na educação, saúde e segurança, fim da corrupção e respeito à diversidade. Resumindo, exigindo moralidade no trato do bem público.

Fotos:
Brasília - ABr/Valter Campanato
São Paulo - ABr/Marcelo Camargo
Niterói - ABr/Fernado Frazão
Rio de Janeiro - ABr/Tomaz Silva

quinta-feira, 20 de junho de 2013

Abertas as inscrições para curso de espanhol em Jundiaí

A partir de hoje estão abertas as inscrições para cursos de espanhol, em Jundiaí. As aulas são de graça para estudantes da Rede Estadual de Ensino. São 150 vagas.

Os alunos interessados devem procurar a secretaria da escola onde estudam e fazer as inscrições até o dia 28 de junho. As aulas serão dadas no Centro Estadual de Línguas Maria de Lurdes, no Jardim Pacaembu.

Serão dois horários de aulas: às segundas, quintas e sextas-feiras, das 7h30 às 11h10 e às quintas e sextas-feiras, das 13h30 às 17h. As aulas são presenciais e no fim do curso o aluno receberá um certificado.
Fonte: G1

Nova coordenação da bancada feminina da Câmara

A Bancada Feminina da Câmara realizou, dia 19/6, a posse da nova direção do colegiado. A deputada Jô Moraes (PCdoB-MG) foi eleita coordenadora da bancada, que tem atualmente 46 deputadas. As coordenadoras adjuntas são Erika Kokay (PT-DF), Flávia Morais (PDT-GO) e Rosane Ferreira (PV-PR).

Na cerimônia, cada deputada no exercício do mandato será convidada a escolher um projeto prioritário de sua iniciativa para entrega simbólica à Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Será dado destaque à proposta de emenda à Constituição (PEC) 590/06, da deputada Luiza Erundina (PSB-SP), que estabelece a representação proporcional dos sexos nas Mesas Diretoras da Câmara, do Senado e de todas as comissões, permanentes ou temporárias. A proposta assegura ao menos uma vaga para mulheres nessas Mesas, quando essa proporção não for alcançada.
Fonte: Ag. Diap
Foto: Ag Câmara

quarta-feira, 19 de junho de 2013

As manifestações continuam... e espalham-se pelo mundo!

Foto: Rede Brasil Atual
O desfecho deste movimento que tem reunido milhares de brasileiros nas principais cidades do país e do planeta é imprevisível! Entretanto, apesar de difusa em muitas reivindicações, a razão é bem simples: MORALIZAÇÃO da política no Brasil.

Supremo julgará prazo para nova aposentadoria

Depois de reconhecer o direito dos aposentados ao recálculo de seus benefícios pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) enfrentará outra discussão sobre a chamada reaposentadoria. Os ministros terão que decidir se há um prazo para o segurado pedir o recálculo no Judiciário. O tema será julgado por meio de recurso repetitivo, segundo definiu o ministro Arnaldo Esteves Lima, relator do caso. Com isso, a decisão servirá de orientação para os demais tribunais do país.

Segundo advogados e procuradores federais, os ministros poderão limitar o direito ao recálculo. "Se o STJ entender que o prazo é de dez anos, contados da concessão da primeira aposentadoria, vários processos em tramitação vão fazer água", diz a advogada Marcelise Azevedo, coordenadora da área previdenciária do Alino & Roberto e Advogados.

Na reaposentadoria, o segurado renuncia à aposentadoria e pede uma nova para abranger os anos de contribuição recolhidos ao INSS no período em que permaneceu no mercado de trabalho, mesmo aposentado.

Em maio, a 1ª Seção do STJ, por unanimidade, decidiu que os aposentados têm direito ao recálculo. A palavra final sobre o assunto, porém, será do Supremo Tribunal Federal (STF). O impacto estimado da causa, segundo a União, é de R$ 50 bilhões apenas com as cerca de 24 mil ações em andamento.

Prazos 

terça-feira, 18 de junho de 2013

O Brasil vai às ruas para se manifestar!

Internautas farão protestos em Jundiaí pelo Movimento Passe Livre



Mais de 200 mil pessoas foram às ruas em 12 capitais brasileiras nesta segunda-feira, 17 de junho de 2013, numa das mais massivas manifestações públicas dos últimos 30 anos. Foram 100 mil no Rio de Janeiro; 65.000 em São Paulo; 10.000 em Brasília. E multidões em Porto Alegre, Belo Horizonte, Salvador, Vitória, Curitiba, Maceió, Fortaleza, Belém e diversas outras cidades do país. Segundo o Estadão Conteúdo, no total, as passeatas reuniram 230 mil pessoas em todo o país.

A data entra para os livros de história e deixa um rastro de interrogações. O cardápio de reivindicações dos manifestantes era amplo e difuso: mais investimentos na saúde, mais dinheiro na educação, transporte público barato, fim da corrupção, rejeição do projeto de emenda constitucional que retira poderes de investigação do Ministério Público – e ainda questões locais. Elas se organizaram espontaneamente, sobretudo por meio da internet, e rejeitaram a tutela de qualquer grupo político.
Fotos: 
SP- EBC/Mídia Ninja
RJ - David Castro 
BH - Aline Rofrigues
Brasília - EBC/Mídia Ninja

segunda-feira, 17 de junho de 2013

Caixa lança plano de previdência privada exclusivo para mulheres

A Caixa Econômica Federal lançou um plano de previdência privada exclusivo para mulheres, o Prev Mulher. No plano, do tipo Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL), a cliente escolhe o valor mensal de sua contribuição, que será dividido em um montante que vai acumular na previdência, e outro, que vai para um seguro de vida – o que garante a proteção da família em caso de imprevistos.

Além de benefícios como aposentadoria, renda e pecúlio por invalidez ou morte, o Prev Mulher também garantirá uma consulta e um exame ginecológico anual a todas as clientes, com redde atendimento presente em todo o País. O plano também vai premiar, automaticamente, com R$ 50 mil, as clientes que ficarem grávidas, por fecundação natural, de gêmeos, trigêmeos ou mais, após a contratação do produto. A indenização acontecerá após o nascimento das crianças.

O produto também oferece proteção, em caso de uma eventualidade que impeça a cliente de contribuir para o plano mensalmente, pois parte do saldo da previdência é utilizado pela Caixa Previdência para quitar o seguro, por um prazo máximo de 12 meses.

Os planos podem ser contratados a partir de R$ 35 por mês e, assim como em todos outros produtos, o Prev Mulher terá taxa zero de carregamento de entrada, o que contribui positivamente para uma melhor rentabilidade nos planos.

Fonte/Foto: Portal Brasil
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...