.

.

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Livro do Diap explica governo

Uma radiografia do governo brasileiro, mostrando seus instrumentos e mecanismos de funcionamento. Esse é o perfil do livro “Por dentro do governo: como funciona a máquina pública”, que o Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap) publicará em novembro. A publicação segue a mesma linha do livro anterior, “Por dentro do processo decisório – como se fazem as leis”, explicando os mecanismos de funcionamento do Congresso Nacional e a tramitação dos projetos de lei. O novo livro é de Antonio Augusto Queiroz (Toninho), que é jornalista, analista político e ocupa a diretoria de Documento do Diap.

Contribuição
O Diap presta importante serviço ao movimento sindical, assessorando as entidades nas matérias de interesse trabalhista no Congresso e junto ao governo. As publicações da entidade também alcançam grande repercussão. Caso clássico do livro “Quem foi quem na Constituinte”, que mapeou o comportamento de todos os deputados e senadores na elaboração da Constituição de 1988.
Agência Sindical

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

A quantas anda a Redução da Jornada: Comissão Negociação

Em reunião com líderes partidários na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira (13), o presidente da Casa, Michel Temer (PMDB/SP), decidiu criar uma comissão que vai conduzir as negociações sobre a votação da proposta de emenda constitucional que reduz a jornada de trabalho de 44 para 40 horas semanais.
A comissão, que será presidida pelo próprio Temer e é formada por parlamentares de diversos partidos, irá convidar as Centrais Sindicais e as confederações patronais para iniciar as negociações sobre a redução da jornada.
Agência Diap

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Lei amplia participação das mulheres na política

Foi aprovada em segundo turno na Câmara dos Deputados e sancionada pelo Presidente da República, a mini-reforma eleitoral, que estabelece novas regras para as próximas eleições e pleitos futuros. Dentre essas regras, constam algumas ações afirmativas para as mulheres.

A lei avança na questão da ampliação da participação feminina no âmbito político, já que algumas de suas novas regras podem contribuir para uma elevação da representação política das mulheres nos partidos. A partir de agora, os partidos são obrigados a destinar 5% do Fundo Partidário à criação e manutenção de programas de promoção e difusão da participação política das mulheres.

O partido que não cumprir essa disposição deverá, no ano subseqüente, adicionar mais 2,5% do Fundo Partidário para tal destinação. Além disso, devem reservar ao menos 10% do tempo de propaganda partidária para promover e difundir a participação política feminina.

Outra mudança refere-se à chamada “lei de cotas para mulheres”. Houve uma alteração no parágrafo terceiro do artigo 10 da Lei 9.504/1997, que dispõe sobre a reserva de vagas de candidaturas para cada sexo nos partidos. O artigo passa a vigorar com a seguinte redação: “Do número de vagas resultante das regras previstas neste artigo, cada partido ou coligação preencherá o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo”. No texto anterior constava apenas a reserva das vagas, com a nova redação os partidos devem obrigatoriamente preenchê-las.
Observatório Brasil da Igualdade de Gênero
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...