.

.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Finalmente a Justiça se faz cumprir

Após 11 anos, finalmente, o assassino confesso da jornalista Sandra Gomide, o também jornalista Antonio Marcos Pimenta Neves foi encaminhado à prisão. Graças à morosidade da Justiça, o assassino de Sandra passou todos esses anos em liberdade, esperando a conclusão dos inúmeros recursos que seus advogados apresentaram. Uma realidade tipicamente brasileira e difícil de aceitar.

Fica evidente, que punições tardias como esta são exemplos de que casos de violência contra a mulher estão relegados a segundo plano, estimulando a violência de agressores que pouco tem a temer, amparados por um sistema jurídico complexo e moroso. O número de mulheres agredidas só aumenta e está é sim uma questão do Estado. Leis existem, a “Maria da Penha” está em vigor, entre outras. Faltam os recursos para que a aplicação das leis seja de fato efeitva e não maleável. Mais uma vez cabe aos brasileiros comuns, principalmente às mulheres, deixar de aceitar passivamente que tais situações se perpetuem.

No final do prazo 1, 2 milhão não sacaram o PIS

Foto: Blog do Trabalho

O ministro Carlos Lupi informou que um milhão e duzentos mil trabalhadores com direito ao abono salarial no valor de um salário mínimo ainda não sacaram o dinheiro. O prazo para receber o abono referente a 2010/2011 expira no próximo dia 30 de junho.

Como costuma fazer todos os anos, o ministro convocou a imprensa para acompanhar telefonemas que deu a trabalhadores com direito ao benefício e lembrou  que têm direito ao saque os trabalhadores cadastrados no PIS/PASEP há pelo menos cinco anos e que tenham trabalhado com carteira assinada por pelo menos 30 dias ao longo de 2009. É preciso atender também a um terceiro critério: ter recebido no período trabalhado em média até dois salários mínimos de remuneração mensal.

Se você ainda não recebeu, fique atento, pois nem todos recebem o benefício no holerite e a cada ano muitos trabalhadores deixam de receber o benefício por falta de informação.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Redução da Jornada: "Casa do Povo" recebe Trabalhadores com deferência

Foto: José Cruz ABr
Trabalhadores e Sindicalistas de todo o país participaram ontem (25/5) da manifestação em Brasília, para pressionar os parlamentares pela aprovação da PEC 231/95, que estabelece a redução da jornada semanal de trabalho de 44 para 40 horas, sem redução dos salários. O ato aconteceu no Salão Negro do Congresso Nacional e reuniu mais de 1 mil líderes sindicais, convocados pelas  Centrais CUT, Força Sindical, UGT, CTB, CGTB e NCST.

Os sindicalistas foram recebidos pelo presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), que afirmou ser a Câmara a “Casa do Povo” e portanto deve receber os trabalhadores da mesma forma que recebe as autoridades, com toda a deferência. Marco Maia, que é sindicalista, reconheceu a importância das Centrais para o crescimento e desenvolvimento do Brasil. Ao considerar a aprovação do projeto uma tarefa difícil, o deputado se colocou à disposição das Centrais para avançar no processo.

Antes da realização do ato, na parte da manhã, os líderes sindicais se concentraram no Salão Verde, quando entregaram aos parlamentares documento destacando a importância da redução da jornada.

Para o presidente da Força Sindical e deputado federal, Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), as mobilizações serão realizadas de forma permanente até que o projeto seja aprovado.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Redução da Jornada: Movimento Sindical pressiona Congresso para votar

Dirigentes das centrais sindicais – CGTB, Força Sindical, CTB, NCST, UGT e CUT – reuniram-se ontem com o presidente do Senado, José Sarney, para debater a redução da jornada de trabalho de 44h para 40h semanais. Hoje, às 14h, os dirigentes sindicais farão um grande ato, no Salão Negro do Congresso Nacional em prol da jornada semanal de 40h. A manifestação terá a presença do presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia, que é a favor da medida.


A jornada normal de trabalho no Brasil é uma das maiores no mundo: 44 semanais desde 1988. A jornada total de trabalho é a soma da jornada normal de trabalho mais a hora extra. No Brasil, além da extensa jornada normal de trabalho, não há limite semanal, mensal ou anual para a execução de horas extras, o que torna a utilização de horas extras no país uma das mais altas no mundo. Logo, a soma de uma elevada jornada normal de trabalho e um alto número de horas extras faz com que o tempo total de trabalho no Brasil seja um dos mais extensos.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Trabalho formal cresce, contratação de deficientes diminui

O número de trabalhadores com deficiência formalmente empregados caiu 12% entre 2007 e 2010. Apesar de o país ter criado 6,5 milhões de postos de trabalho com carteira assinada neste período, 42,8 mil vagas para pessoas com deficiência foram fechadas. 

A redução dos postos de trabalho para trabalhadores com deficiência consta dos relatórios da Relação Anual de Informações Sociais (Rais), divulgados anualmente pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

O descompasso entre o crescimento do emprego formal e a redução das contratações dos deficientes são indícios de uma ilegalidade, segundo as entidades que os representam. No Brasil, uma lei de 1991 obriga que empresas com mais de 100 funcionários tenham, no mínimo, 2% de seu quadro composto por trabalhadores com deficiência. Portanto, se as contratações aumentaram, era de se esperar que o número de deficientes empregados também crescesse.
Força Sindical
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...